Benefícios e malefícios do café

Bebida pode ajudar no tratamento de alcoolismo e depressão, mas com uso moderado.

  • Benefícios e malefícios do café

Depois da dupla "feijão e arroz", é provável que a combinação "café e pão" seja a segunda mais famosa no cenário gastronômico brasileiro, levando em consideração a popularidade da bebida. De acordo com a Sociedade Brasileira de Nutrologia, o consumo nacional anual beira 13 milhões de sacas (o dobro da década de 90) e tende a crescer ainda mais. Atualmente, estima-se que apenas um brasileiro consome, em média, 1.200 xícaras de café ao ano.
 
Qual o segredo de tamanho sucesso? Há quem justifique a opção do café de todas as manhãs não apenas pelo sabor e aroma da bebida, mas também por seus benefícios para a saúde. Já existem estudos que apontam o café como um coadjuvante a ser utilizado com sucesso no tratamento de alcoolismo, bronquite asmática, obesidade e ainda como diurético devido à presença e à ação da cafeína – substância estimulante, que pertence ao grupo dos compostos das tri-metil-xantina – e, também, à presença e ação dos ácidos clorogênicos.
 
Tais substâncias fazem parte da composição química e nutricional do café e atuam no sistema nervoso, produzindo um estado de alerta, porém a duração depende da individualidade biológica de cada um. "É por essa mesma razão que ele pode ser utilizado para auxiliar no tratamento de depressão, fazendo com que o paciente se sinta mais animado e revigorado", diz Hilda Barros, professora do Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
 
No entanto, adverte a nutricionista, a "bebida não faz milagres" e pode, sim, causar efeitos desagradáveis quando consumida em excesso. Entre as conseqüências da "overdose" de café, Hilda destaca taquicardia, agravamento das lesões no aparelho digestivo (aftas, gastrite), piora dos sintomas das doenças intestinais, como os da doença de Crohn (constipação, disenteria e aparecimento de pólipos) e, o mais comum, a dificuldade para dormir. Outro incômodo freqüente é o escurecimento dos dentes, devido aos pigmentos presentes no café, semelhantes ao verificado em pessoas que fumam e apresentam os dentes amarelados pela pigmentação produzida pela nicotina do cigarro.
 
"Esses efeitos variam de pessoa para pessoa, conforme o organismo de cada um reage às substâncias encontradas na bebida de café em infusão. Alguns indivíduos tomam café e dormem tranqüilamente, sem problemas, nos seus horários habituais. Outros ficam 'em estado de alerta' durante toda a madrugada”, diz Hilda. Ela explica que, de acordo com pesquisas, na verdade, 70% das pessoas perdem o sono quando consomem café, “as outras só mostram esse efeito quando já estão muito agitadas", afirma.
 
Hilda Barros ainda lembra que pessoas que consomem quantidades elevadas de café costumam ficar mais resistentes ao efeito de anestésicos que possuem a cafeína em sua formulação e podem também apresentar dores de cabeça, entre outros sintomas, quando retiram abruptamente a cafeína da rotina alimentar. "Esta dor é chamada de sintoma sentinela. Ele é caracterizado por fortes dores de cabeça, logo pela manhã, e ocorre quando há uma queda no nível dessa substância na corrente sanguínea, causada tanto por não ingerir a bebida, como por substituir o café comum por outro tipo, como o descafeinado", explica.
 
Para desfrutar da bebida com prazer e sem ter complicações, alerta a especialista, o ideal é não ultrapassar o limite de 150 ml a 200 ml de café ao dia, distribuídos em três porções: uma de manhã e as outras duas ou três no início e até o final da tarde, dando um espaço de tempo de ao menos uma hora entre uma tomada e outra. "Basta ter bom senso e procurar não ingerir toda a quantidade permitida de uma só vez. Além disso, pessoas com problemas de sono devem tomar a última dose até às 17h", recomenda a professora.
 
Hilda Barros também relata ser mais saudável consumir café misturado a alguma outra bebida que apresente algum percentual de gordura na sua composição nutricional, como, por exemplo, o leite. "Dessa forma, ele não causará problemas à saúde de seus consumidores e a cafeína manterá seu efeito estimulante da mesma forma. Além disso, quem gosta de café terá a oportunidade de se deliciar com outros excelentes e agradáveis sabores, com segurança alimentar e, ainda, estará protegendo a sua saúde".
 
Fonte:
http://www.unimed-rio.com.br/CalandraRedirect/?temp=6&proj=NovaInternet&pub=T&db=&nome=SuaSaudeMateria&docid=D358D424A1CCB0BA8325745C0063E8B0&nivel=Para%20toda%20Familia

Comentários