Com medo de febre amarela, cariocas lotam postos

Com medo de febre amarela, cariocas lotam postos de saúde. Apesar de autoridades garantirem que não há motivo para alarde, população tem comparecido às unidades a fim de se imunizar.

  • Com medo de febre amarela, cariocas lotam postos

RIO - Apesar de o secretário municipal de Saúde, Carlos Eduardo Mattos, garantir que não há motivo para alarde ou correria aos postos de vacinação, a população carioca tem comparecido em peso às unidades a fim de se imunizar contra a febre amarela. Em Copacabana, no Centro Municipal de Saúde João Barros Barreto, a movimentação era grande nesta manhã. Cerca de 40 pessoas aguardavam para serem vacinadas na unidade. De acordo com a atendente, as senhas no posto estão sendo distribuídas em dois turnos, pela manhã e à tarde.
 
Luzia Menezes, de 36 anos, que é moradora do bairro da Zona Sul, viajará para a cidade mineira de Manhuaçu no início de abril. Com medo da doença, a professora foi até a unidade de saúde garantir a proteção.
 
- Tenho ouvido tantos casos notificados na televisão, fiquei com medo. Já queria ter vindo antes, mas minha filha me aconselhou a esperar um pouco mais, já que a viagem é só em abril - conta.
 
José Luiz, de 57 anos, não pretende viajar para as áreas de risco, mas mesmo assim achou melhor se antecipar. Acordou cedo e foi até a unidade. Apesar da fila, ele afirma que o tempo de espera é curto, cerca de 30 a 40 minutos.
 
- Por enquanto, da minha família, sou o único a se vacinar. Não quis correr o risco e busquei o posto de saúde. É melhor prevenir - afirma o aposentado.
 
Já no Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira, no Catete, as 100 senhas distribuídas pela manhã esgotaram-se em menos de duas horas. Sem se identificar, uma de nossas equipes conversou com uma enfermeira da unidade. Ela contou que cinco pessoas já estavam aguardando a distribuição do turno da tarde, quando outras 100 pessoas serão vacinadas.
 
- Abrimos às 8h e antes das 10h já não tinha mais número. A procura tem sido grande todo dia. Algumas pessoas chegaram depois do término das senhas e resolveram esperar até as 12h, quando recomeçaremos a distribuição, para aplicar as vacinas às 13h - explicou a funcionária.
 
Na Tijuca, o posto de saúde Heitor Beltrão está com funcionamento para imunização contra a febre amarela apenas na parte da manhã. Segundo uma agente comunitária de saúde que trabalha no local, as senhas são distribuídas a partir de 8h, seguindo até as 10h. A profissional conta que, apesar do grande movimento registrado diariamente, ninguém está saindo da unidade médica sem receber a vacina.
 
As senhas da tarde começaram a ser distribuídas às 12h no Centro Municipal de Saúde Salles Netto, no Rio Comprido. Nesse horário, as últimas pessoas da parte da manhã ainda aguardavam para serem vacinadas. Entre elas estava a vendedora Alice Medeiros, 27 anos, que decidiu procurar a imunização apenas por medo de contrair a doença, e não pelo fato de ir viajar para uma das áreas de risco.
 
- Preferi antecipar. Não quero esperar os postos ficarem ainda mais cheios. Trata-se de uma doença séria, não podemos deixar de se preocupar com ela. São tantos registros por aí - justifica Alice.
 
A Secretaria municipal de Saúde (SMS) divulgou, na tarde da última segunda-feira, a nova estratégia de vacinação contra a febre amarela no município do Rio. Entre as mudanças, que entram em vigor em 15 dias, está a ampliação do número de pontos de vacinação – de 34 para 233 unidades da rede.
 
Além disso, a secretaria receberá reforço no estoque da vacina e, ao todo, o Rio receberá 1,5 milhão de doses. Com a alteração, a oferta será ampliada para todas as pessoas que possuem indicação médica ou estão dentro do público-alvo determinado pelo Ministério da Saúde. Vale ressaltar que, mesmo com as mudanças, o Rio permanece fora da zona de risco da doença.
 
Fonte: Diego Amorim / Estagiário sob supervisão de Leila Youssef
http://oglobo.globo.com/rio/com-medo-de-febre-amarela-cariocas-lotam-postos-de-saude-21056873

Comentários