Reiki

Reiki é uma prática espiritual enquadrada no vitalismo. Tem por base a crença na existência da energia vital universal "Ki", manipulável através da imposição de mãos.

  • Reiki

Reiki é uma prática espiritual enquadrada no vitalismo, criada em 1922 pelo monge budista japonês Mikao Usui. Tem por base a crença na existência da energia vital universal "Ki" (a versão japonesa do conceito chinês "Qi" (ou "Chi"), manipulável através da imposição de mãos.
 
Através desta técnica, os praticantes acreditam ser possível canalizar a energia universal em forma de Ki a fim de restabelecer um suposto equilíbrio natural, não só espiritual, mas também emocional e físico.
 
Existem dois ramos principais do Reiki, normalmente referidos como "Reiki tradicional japonês" e "Reiki Ocidental". Embora as diferenças entre os dois ramos e tradições possam ser amplas e variadas, a principal diferença é que nas formas ocidentalizadas usa-se posições pré-definidas para a imposição das mãos, ao invés de depender de um senso intuitivo para a transmissão da energia Reiki, como é habitualmente feito em agências de Reiki japonesas. De uma forma geral ambos os ramos têm uma hierarquia de três níveis (ou graus), referidos como Primeiro, Segundo e Nível Mestre/Professor, os quais estão associados com diferentes habilidades e técnicas.
 
O conceito do Ki no qual se baseia o Reiki é especulativo, não existem quaisquer evidências científicas da sua existência. É uma prática que não é reconhecida pela comunidade científica. Existem poucos estudos de qualidade e os que existem não conseguem demonstrar a eficácia do Reiki para quaisquer condições de saúde.
 
Alguns profissionais de cuidados médicos alertam para o risco dos pacientes poderem evitar ou atrasar tratamentos para doenças graves, clinicamente comprovados. Uma avaliação sistemática de 2008, a ensaios clínicos com aleatoriedade, concluiu que a eficácia não tinha sido demonstrada para qualquer condição de saúde. Um ensaio clínico de 2011, envolvendo 189 pessoas, não registou diferenças entre o grupo Reiki e o grupo de terapia placebo. A Sociedade de Cancro Americana e o Centro para a Medicina Complementar e Alternativa dos Estados Unidos também concluíram que não existe nenhuma evidência científica que sustente a ideia de que o Reiki é efetivo como tratamento para quaisquer doenças.
 
Apesar de não possuir comprovação científica de eficácia, o Reiki também é fornecido em muitos hospitais e clínicas médicas.
 
Os cinco princípios do Reiki
 
Usui era um admirador dos trabalhos literários do Imperador Meiji. Enquanto desenvolvia o sistema do Reiki, Usui condensou alguns dos trabalhos do imperador num conjunto de princípios éticos, que mais tarde se tornaram os Cinco Preceitos do Reiki.
 
Para muitos praticantes e professores do Reiki é habitual obedecerem estes cinco preceitos ou princípios.
 
Ensinamentos
 
Os ensinamentos do Reiki alegam que este é inesgotável e pode ser usado para produzir um efeito de cura. Os praticantes alegam que qualquer pessoa pode aceder a esta "energia" por intermédio de um processo de "sintonização" realizado por um mestre de Reiki. O Reiki é descrito pelos seus seguidores como uma terapia holística que traz não só cura espiritual, mas também física, mental e emocional. A crença é que a "energia" flui através das mãos do emissor para qualquer sítio que estas sejam colocadas. Para além desta noção acredita-se que esta "energia" é "inteligente", o que significa que o Reiki sabe para onde deve dirigir-se para a efectuar a cura, mesmo que as mãos não estejam colocadas no local exacto.
 
Formação
 
O ensino do Reiki fora do Japão está dividido normalmente em três níveis ou graus. O Reiki tradicional japonês foi ensinado intensamente sob a orientação de Usui, com reuniões semanais de meditação onde o Reiki era aplicado e usado para monitorizar o corpo para obter diagnósticos energéticos, esta prática é conhecida no Japão como Byosen-ho. O Reiki japonês é um tratamento intuitivo e focado, em comparação, por seu lado, o tratamento do Reiki Ocidental pretende tratar geralmente todo o corpo em vez de áreas específicas.
 
Método
 
A alegada cura através do método Usui Reiki Ryoho, em vez medicamentos, usa o olhar, o sopro, o toque e batidas ligeiras. Segundo Frank Arjava Petter, Usui tocava nas partes doentes do corpo, massajava-as e dava-lhes batidas ligeiras, acariciava-as, soprava-lhes, fixava-lhes o olhar durante dois ou três minutos e fornecia-lhes "energia" e usava uma técnica de cura através da imposição das mãos. É através desta técnica que os utilizadores do Reiki acreditam que estão a transferir a energia universal (rei)ki, através das palmas da mão, e desta pensam estar a colocar em funcionamento um hipotético sistema auto-curativo.
 
Eficácia, ciência e a OMS
 
O Reiki não é reconhecido pela medicina e pela ciência, apesar dos seus proponentes apresentarem variados relatos pessoais sobre sua eficácia, os benefícios do Reiki nos cuidados de saúde não estão confirmados cientificamente.
 
Estudos de 2008 e 2011, realizados para investigar seus efeitos em grandes números de pacientes e com grupos controle, concluíram que as evidências são insuficientes para sugerir que Reiki é eficiente para o tratamento de qualquer condição ou doença em humanos. Outros estudos mais antigos, envolvendo um número reduzido de pessoas, obtiveram resultados positivos no alivio de dor e redução da ansiedade. Alguns profissionais de cuidados médicos alertam publicamente para o risco dos pacientes poderem evitar ou atrasar tratamentos para doenças graves, clinicamente comprovados.
 
O professor Ricardo Monezi, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, possui uma tese de mestrado de 2003, em que conclui ter constatado que o Reiki possui eficácia na saúde de camundongos, e uma tese de doutorado de 2013, em que conclui que os resultados de sua pesquisa sugerem que o Reiki possui alguns benefícios superiores ao placebo na saúde de seres humanos.
 
Em Abril de 2008 foi publicada uma carta de Edzard Ernst (primeiro professor de Medicina Alternativa no mundo) pedindo que a Fundação do Príncipe do País de Gales para a Saúde Integrada retirasse de circulação dois guias que promovem a "Medicina alternativa", inclusive Reiki. Um porta-voz da Fundação rebateu a carta, dizendo: "Discordamos totalmente da acusação de que a nossa publicação 'Complementary Healthcare: A Guide' contém alguma alegação enganosa ou imprecisa sobre os benefícios de terapias complementares, pelo contrário, ela trata as pessoas como adultos e leva uma abordagem responsável, incentivando as pessoas a olharem para fontes confiáveis ??de informação(...) para que elas possam tomar decisões informadas."
 
Há uma divulgação errada em sites e blogs de que o Reiki é reconhecida como terapia alternativa complementar pela OMS (Organização Mundial de Saúde). A OMS nunca reconheceu Reiki oficialmente, como relatado pelo próprio mestre de Reiki que divulgou o suposto reconhecimento.
 
Estudo placebo-controlado sobre o Reiki é complicado devido a dificuldade de concepção de um placebo realista.

Comentários